A porca torce o rabo.

A porca torce o rabo é uma expressão antiga para descrever situação de dificuldade. Estamos em uma sequência analítica em que vamos olhando o mundo que nos cerca e o que poderemos fazer para manter o Covid 19 longe de nosso corpo. A situação social em que nos vemos se deteriora desconfortavelmente, mas isso não nos isenta das medidas higiênica e profiláticas amplamente divulgadas.

Para melhor compreendermos o que isso significa imagine que você é aquele peixinho no mar que procura os pais. É um filme famoso, acho que chamado “ procurando Nemo”. O filme não interessa, quero só sua imaginação de você vivendo no mar.

E aí podemos perguntar: em qual mar você vive? No mar Morto? No mar Negro? – Não, você, cidadão covidense, vive no mar Covid-19 Brasil.

Como está o mar no qual você sobrevive? Certamente ainda confuso, ou mais confuso. O “ rolo”, a “encrenca” Bolsonaro X Moro continua impactante. O Presidente, ainda pouco operante, saiu em busca de aliados para ser fortalecer depois que as Forças Armadas atenderam ao pedido dele (que eu também estou atendendo) de deixar que o Supremo resolva tudo.

Tão verdadeiro é isso que levou empresários para uma audiência com o Presidente (que não é ele, segundo ele que não percebe que está abrindo mão de “Presidenciar” ao fazer isso) e sim o Chefe do Terceiro Poder (Judiciário). Também buscou aliados junto a um tal Centrão, que ele sempre abominou e jurou de pé junto que com eles nunca negociaria.

E mais ainda…

Buscou um personagem do passado, um Ex-Deputado de antecedentes preocupantes, eis que trafegou nas águas turvas da Câmara dos Deputados por seis legislaturas e que, após ter sido enganado pelo Sr. José Dirceu (sim, esse mesmo – o amigão do Lula) denunciou todo mundo, denuncia que desaguou no mensalão.

O Sr. José Dirceu não teria honrado a palavra dada ao ilustre Ex-deputado sobre “ transferência’ de verbas públicas. Como negociata, segundo os políticos é qualquer negócio do qual não seja partícipe, vírgula, etc. e ponto. Ressuscita o ilustre a defender o Sr. Presidente, pelo que agradeço, pois ainda não perdi totalmente minhas simpatias por ele e a desancar com o Sr. Moro.

Pera aí, ilustre – com seus antecedentes me vejo obrigado a lhe solicitar que, por gentileza, lave a boca antes de falar sobre o ainda não julgado Sr. Moro.

O adversário, o Sr. Moro está quieto, apanhando mais que cachorro magro, sendo tratado de tudo e tendo sua vida devassada. A esposa do referido, que tem existência profissional independente do marido, o que acontece na maioria dos lares, já foi acusada de coisas que nem se repete. Muito pouco civilizado esse ataque.

Os acontecimentos em torno do Sr. Presidente tornam desnecessário que o Sr. Moro abra a boca. Nada necessita dizer. A semana promete avanços no sentido de desenrolar o fato que está travando o pais e piorando o cenário COVID.

Vírus, crise econômica, crise política – necessidade demonstrada de ficar com o imunológico “bom “, para se defender do vírus, necessidade de ficar com o “ mental bom “ para se defender do resto. O mar Covid 19 Brasil é um mar muito contaminado.

A ilusão de que se tivermos dinheiro, melhor emprego, casa melhor não vai nos ajudar. Semente de feijão, mesmo abençoada não ajuda no combate ao vírus.

O que podemos fazer para nos salvaguardarmos? Quarentenados, precisamos exercitar algumas virtudes dentro de casa, onde estamos ancorados, ou atrás das máscaras quando saímos às ruas.

Primeiro precisamos da virtude da paciência, – respirar fundo, contar até dez. Nas filas ficar com a pernas paralelas ao ombro, levemente afastadas, portanto. Os joelhos devem ficar levemente fletidos e respirando calma e profundamente, prestando atenção ao nosso respirar, sem se envolver com as coisas que estão acontecendo no mar em volta. Concentrado em si e em se fortalecer… respirar oxigenando sua fogueira metabólica interna…

Diariamente, várias vezes ao dia, precisamos fazer inventário do que tem de bom em nossas vidas. Isso nos ajuda a policiar nosso humor. Ficarmos muito tempo com as pessoas que amamos traz cansaço.

Filhos não param quietos (Graças a Deus} – mas não temos mais aquele espaço de afastamento – nós no trabalho, crianças na escola, chatice ir buscar, na hora que saem da aula, que emoção, como gosto desse piazito que vem de calças curtas marrom-claro em minha direção atravessando o gramado da SQS 0# sob o sol de Brasília.

Vai crescer, virar homem, aproveite o grito agudo de sua filha dentro de casa, vai crescer, dar aula de inglês, virar doutora advogada, falar manso com você, lhe dar o nó e vai ainda mandar na velhinha, kkkkkk. Se achou aqui, n`e´ mesmo?

Ao ler o parágrafo supra alguém deve ter percebido um movimento no peito. São as sementes da paixão e da compaixão se movendo. Esses tempos que vivemos são fundamentais e preparatórios para algo que virá e não sabemos o que é., mas desde já o psicoespiritual nos convoca a exercitarmos, além da paciência, as funções da paixão e compaixão.

Paixão e compaixão, pernas levemente afastadas, joelhos levemente fletidos, respiração calma e profunda – pronto! Você já está em posição de ter compaixão pela esposa e lavar uma louça, dar um banho em um filho, passar uma vassoura. E se depois disso ela não se derramar de paixão é porque você está com bafo de cerveja….

O mar Covid_Brasil vai desaguar em um oceano –todo mar faz isso… Nem quero mencionar agora, mas qualquer que seja o oceano, haverá grande demanda de compaixão pelo outro e de paixão pelos nossos, os de sangue. Comece a exercitar agora. O mar Brasil está cheio de, digamos lulistas e bolsonarianos – eu mesmo sou, confesso, um bolsonariano – logo desapareceremos todos, bolsonarianos e lulistas.

Até o ano 2000 nem existiam lulistas. Havia sim, petistas, o que é outra história. Isso também passara, tal com o vírus. Mas nós não – o exercício das virtudes é importante e estou sugerindo essas aí, nesse atual momento.

É preciso ter compaixão para com você mesmo – diminuir seu contato com o noticiário. E ao entrar em contato com ele, fazê-lo com muito critério mental, sem perder o seu centramento, sem se deixar levar pelos sopros dos objetivos de terceiros, sem se deixar manipular.

Sim, sou simpatizante até o momento do Sr. Bolsonaro, por exemplo, Como vocês perceberam, não me deixo levar. O Sr. Moro não vira um humano porcaria de sexta da manhã até meio dia. Nem Bolsonaro, mas estou olhando… Deve ser assim, você não precisa gostar do Bolsonaro para viver bem e para ativar seu sistema imunológico. Você tem o direito de ser feliz sem importar sua visão política.

MAS PRECISA TER CONSCIÊNCIA DO QUE OS FATOS ESTÃO PRODUZINDO EM VOCÊ!

Não há a alternativa de deixar de ser senhor de si pelos acontecimentos. Portanto, mantenha-se apaixonado pelos seus e compassionado pelo próximo. Esse estado emocional o jogará naturalmente no próximo passo para ativação de suas defesas.

Lyubomirsky é uma pesquisadora americana. Não me pergunte de qual Universidade. Ela fez brilhantes estudos sobre o bem-estar e pasmem:

As pesquisas dela mostraram que SER GENTIL COM O PRÓXIMO, SER BONDOSO É UMA DAS AÇÕES HUMANAS QUE MAIS PRODUZEM BEM-ESTAR.

Fantástica essa viagem que estamos fazendo nesses textos. A Nação está sendo atacada por várias coisas –de um lado o vírus, de outro a luta por poder e dinheiro, que afinal é o que estamos fazendo – lutando contra o vírus o contra a cleptocracia, dentro de princípios republicanos.

E a ciência nos leva a que a melhor ferramenta para nós, cidadãos covidenses, mantermos nosso sistema imunológico e nossa saúde mental nesse instante da história pátria é sermos bondosos e gentis para com o próximo e para conosco mesmo.

Quem diria que paciência, paixão e compaixão seriam ferramentas. Melhora o mental, melhora o imunológico como consequência. O vírus bate em uma pessoa equilibrada, estável, centrada, auto-protegida. Bate e volta, vírus do zóinho espichado, filho do djanho…

Talvez tanto o Moro quanto Bolsonaro estejam certos e Roberto Jefferson esteja errado. Talvez o mal-amado Supremo e muita paciência sejam o caminho.

Mas confesso, até envergonhado e a vergonha é do médico, não do cidadão, que aquela fotografia do Sr. Roberto Jefferson segurando uma espingarda me deu água na boca.

Não. Não mesmo!

Os netinhos estão lhe vendo – quarentena, “ veio”. Se segura nas calças, jaguara!!!!!