Cleptocracia e Covid 19

Essa é a parte 1 de 5. Virão ao longo da semana, mais textos na sequência desse.

Assine nosso feeds para receber essas postagens por email.

Psico-neuro-imuno-endocrinológico no mundo do Covid-19 – perdão,

NO SEU MUNDO

Onde você pensa que está morando?

Bom, você eu não sei, mas eu estou morando em um Planet chamado COVID-19.

Esse planeta foi amalgamado por um vírus mutante chinês e pela Imprensa Mundial. Caso, eventualmente, você more em um pais chamado Brasil, o vírus, já em sua forma brasileira, que é diferente de outras que andam pelo mundo (atenção – isso biologicamente faz diferença, conforme veremos) o buraco é mais embaixo, como dizem nossos conterrâneos lá do Pedra Noventa.

O amalgama passa por um componente interessante, visto que o Brasil continua um pais dominado pela cleptocracia.

E agora, vou primeiro para a doença do vírus, ou vou para a situação nacional?

Vejam só, eu disse que o Presidente havia cometido um erro com o Ex-Ministro Moro. Viralizou a imagem do Moro jogando truco com o Bolsonaro. Pois é, o Bolsonaro, cheio de manilhas e pé de jogo caiu na jogada de contrapé do Moro, que esperou de gato e três.

Para quem não conhece o jogo, Moro deu um nó no Bolsonaro. Seja simplesmente porque o Bolsonaro vinha garganteando em cima do Moro, o que seria uma resposta absurdo do Moro, portanto, incrível, não acreditável, ou porque ele entendeu que o Bolsonaro já tinha feito sua parte e carregado a tocha republicana até onde tinha competência para tal.

Também escrevi que essa manobra do Presidente, aliada ao seu discurso dando um pito em seus apoiadores dois dias depois, deixaria seu governo amarrado. Parece que eu estava certo – o Bolsonaro não nomeia mais ninguém, O Ministro da Economia, o tal Posto Ipiranga só tem uma bala na agulha e só sabe falar nisso, que é o maravilhoso projeto de congelar salários de servidores público.

É gravíssimo, no atual momento, o ministro só ter uma bala em seu revolver. Collor que o conte….

Os seguidores mais apaixonados do Sr. Presidente, aqueles de certa forma confundem Bolsonaro com Governo, continuam clamando por Intervenção. O instinto avisa que Bolsonaro até joga truco, mas não parece ser um bom jogador. Conhece o jogo, viu grandes campeões jogar, mas não pegou a manha do carteado.

Está, no momento, cheio de 4 e 5 na mão, cartas vazias, que o obrigam a grandes manifestações populares de apoio – em Cristalina. Uma doce cidade goiana, um povo gentil e fraterno, pode ir morar lá. É pacato, fica perto de um grande Centro – Brasília e de uma cidade histórica – Luziânia, que é citada até em Grandes Sertões.

Realisticamente falando, a intervenção já foi feita pelo Supremo, conforme se supunha, visto que o conflito Bolso X Moro amarraria o pais, como de fato amarrou. O Supremo, com surpreendente bom senso antecipou o fim do imbróglio diminuindo o tempo do depoimento do Ex- em cinco dias e não mais sessenta. O depoimento foi ontem, não tenho a menor ideia do que foi dito e apresentado.

Segundo Sua Excelência, o Sr. Presidente, o máximo que lá se encontrará serão alguns palavrões. Não é o que espero que aconteça no Salão Presidencial, mas abençoe Deus que seja só isso mesmo. A Nação não aguenta outro tempo de agonia à la Dilma.

Se tiver algo mais fica complicado. Porque intervenção já tem. É do tipo branca, mas é. Então, para atender aos Bolsominios, precisaria uma “desintervenção” das forças armadas O Exército está construindo estradas e furando poços no Nordeste, segundo se noticia. Nobilíssima missão em tempos de paz, mas que deveria pertencer aos civis.

Claro, a corrupção, de fato sim, compreensível que vá o Exército. Ah, mas a Aeronáutica então – virou empresa de transporte de senadores, deputados e ministros- acho que ainda não deu tempo de desvirar e voltar a ser instituição militar. A reserva das Forças Armadas está sendo convidada a trabalhar no INSS.

Forças Armadas

Das forças armadas parece que sobrou a Marinha POR FAVOR, DEMONSTREM QUE ESTOU TOTALMENTE ERRADO EM AVALIAR ASSIM DAS NOSSAS FORÇAS ARMADAS. Me sinto totalmente antipatriótico por enxergar a realidade tão assim.

O pito do Presidente foi de lascar. Eu mesmo me senti esvaziar. Senti mal ao ouvi-lo. Durante a semana voltou a se manifestar de forma desnecessária. Qualquer carta que caia na mesa está levantando para seis. Morde qualquer isca e torna sua defesa difícil para nós, que não somos robôs, somos pensantes. O projeto de Brasil precisa continuar. Alguém no esverdeado Palácio precisa fazer o “ coaching Presidencial”.

O Capitão precisa de mais habilidade para jogar com as cartas que tem. Não virão cartas melhores para ele. O truco é o único jogo que permite vitória sem cartas. Mas precisa saber jogar, não é mesmo, Senhores Generais?

Everons Alberge Buchi

Parte 2