Covidensos e Covidanas

Na República do “quem diria” neologismos são necessários. Na língua inglesa dois termos foram gestados, muito interessantes. Um é o covidiot, facilmente compreensível. O termo teria nascido em um supermercado nos EEUU, no qual uma senhora teria entrado com um buraco na máscara para respirar melhor.

O termo, tal como o vírus se espalhou rapidamente, a ponto de que os ingleses, com seu humor mui refinado acabaram até escalando uma seleção mundial de jogadores de futebol de primeiro nível que não adotaram cautelas preventivas em relação ao agressorsinho coroado. Um time de covidiots., disseram os ingleses, que se mostraram refratários a coroas estranhas à da rainha.

Aliás, a Rainha pediu licença por tempo indeterminado. Adoro o puro humor inglês…

Outro termo interessante é coronials, que se refere às crianças que nasceram depois dos tempos de quarentena.

Novas palavras, novos fatos. Velhas palavras, novas interpretações. Tanto interpretaram que a pouco o noticiário da TV disse que quem disse o que disse parece que disse que queria demitir o General Heleno, e não aquele que saiu.

Já falei que o Sr. Presidente conduziu mal a questão do Ex-Ministro no primeiro momento. Disse que ali havia nascido uma encrenca que daria pano para manga. Que isso iria render e que o Presidente ficaria com dificuldades para gerenciar a Nação, que é sua função. De lá para cá a coisa vem se avolumando.

Nomeia Juca, já vem o contra-vapor – ninaninanão. Decreta que tal coisa tem que ser feita – aqui no meu Estado Paraíso ninaninnanão. O que Sua Excia. pode fazer é me mandar mais dinheiro, respondem de pronto os feudais governadores A Bic presidencial está entupida.

A situação está ficando tensa e o cenário está “meio dilmado“– é, acordei falando neologistes. Era a linguagem de dona Dilma. Agora também temos essa nova língua – o neologistes interpretativo palaciano-mourístico. Ou seja, Palácio e Moro se digladiam para nos mostrar quem é o legitimo proprietário da verdade verdadeira. O Presidente fica sem forças.

Votei em Bolsonaro, fiz campanha para ele e ainda torço que o governo dele dure os anos regulamentares. Se ele continuar, quem sabe essa crise não faz nascer o poeta com quem sonhamos…

Bolsonaro calado é um poeta e, certamente seria o maior Presidente da História. Na minha visão restrita, “do meu Degrau nas Gerais” – como dizia o comentarista esportivo paranaense Stenguel Guimarães – o melhor presidente foi o Gen. Ernesto Geisel. Aquele mineiro do topete, o Itamar também foi um baita Presidente.

Bolsonaro poderia até fazer governo melhor que o deles. Mas não se livrou, de cara, dos funcionários públicos “aparelhados” e foi sua segunda “fraquejada” – Essa é meio humor britânico e é para quem acompanha e tem memória. Não foram as únicas. Bolsonariano sim, covidiot não!

Mais uma semana de Covid comendo solto, povo quarentemado e governo encrencado. Essa encrenca não pode durar, o Governo Bolsonaro não pode Dilmar e a gente ficar meses em um processo de Impeachment, impixa- desinpixa e lá vem Lewandowsky. Perigoso demais, vai que ele rasga outra página da Constituição.

Ou liberta o Bolsonaro rapidinho, ou ele que vá, patrioticamente e a “la Jânio” para casa. Só não precisa ir de porre! Basta ir, o tanto que carregou a tocha da liberdade já faz dele um Herói.

Para encerrar lembro aos mais distraídinhos que quem amarrou o Presidente não foi o vizinho Moro, pessoa de grande história pessoal. Foi o PGR Áras – então parem de xingar o Moro.

Libertas quae sera tamen para Bolsonaro – ou go home!

Covidanos e covidenses, Ferrados e Ferrados (aqui me refiro aos médicos em geral)

PÁTRIA AMADA, BRASIL

Bom, é a minha. Não gosto de como ela está vestida, então que se desnude a Nação e vamos cobri-la com vestes de amor. Pátria não existe, é um conceito, mas existe gente morando em um determinado lugar geográfico chamado pais E nele vamos ter muita gente padecendo nos próximos meses. Seja com Bolsonaro ou com o Gen. Mourão na Presidência, ou nos compassionamos e nos solidarizamos, ou o pior poderá vir.

Tem como melhorar, porém.

HÁ UMA OUTRA FORMA DE COMBATER O COVID

O mês de junho é importante para a Medicina. É um mês em que se fala na conscientização da homeopatia.

Claro que eu sou alopata! Essa é minha escola médica. Lá aprendi que os médicos podem ser alopatas e homeopatas. Mas não podem ser covidiots.

A homeopatia tem uma história fascinante e conta de um médico, daqueles tempos que aparecem nos filmes antigos em que os médicos chegavam a cabeceira dos doentes, faziam o diagnóstico olhando os olhos, a língua e o pulso do enfermo. Nos filmes são sempre meio caricaturados como abestados. Porém, que gente de valor e brio.

Certamente todos morriam jovens e carcomidos por zilhões de “coisa pegada de paciente“; A única proteção que tinham era o desejo de aliviar dor e sofrimento; equipamento zero! Movidos por essa vocação que queima por dentro, essa chama luminosa que os tangia ao pé do leito do enfermo abriam suas valises e prescreviam o que de mais moderno havia: sangrias.

Insatisfeito com isso, como por certo estavam todos os “facultativos” de então, um tal do Hahnemann, que foi o cara que pariu a Homeopatia, começou a fazer umas sacadas interessantes. Por exemplo, ele disse que doença seria uma peculiar, virtual e dinâmica perturbação da saúde.

Ou seja, é como se dissesse que doença não existe e sim que a saúde é que se perturba. É como se dissesse, ou vai ver que disse mesmo, que devemos prestar atenção aos sintomas e não tanto às causas externas.

Passou a pesquisar todo tipo de sustância para desenvolver medicamentos e introduziu conceitos como potencialização e sucussão de medicamentos.

Se um vídeo do Bolsonaro dá o que falar, imaginem as coisas que falou o codificador da homeopatia. Já lá se vão duzentos anos de polêmica, de porradaria entre os médicos. E porradaria bruta, de fazer Capitão parecer moço-dama. Fica na frente de um alolista ou de um homeominios prá ver, rsss. Neologistês novamente, mas lulistas x bolsonarianos é água parada perto dessa encrenca mundial.

Hoje a homeopatia evoluiu muito. É verdade que em termos de pesquisa pura, mesmo tendo bastante, ainda não tem o volume que a alopatia tem. Mas a homeopatia tem um estoque enorme de Medicina baseada em evidência, talvez comparável ao estoque que a alopatia tem.

Só covidiots negam os benefícios da homeopatia. E me fascina pensar em Hahnemann, que nada sabia da moderna imunologia e já falava na força curativa do próprio indivíduo e que essa força poderia ser despertada pela aplicação do similia similibus curantus, o princípio de que forças semelhantes gerariam a cura. Nossa, o cara tinha a intuição maior do mundo! Tipo mulher, assim, sabe como elas são….

Taí, papudo, mais uma. Os médicos caricaturados e humilhados pelos filmes holywoodianos falavam latim. Goza deles, goza – ri deles…

Seja grosseiro com a enfermeira do SUS e bata palmas pro jogador de futebol e pro funkeiro da esquina, mas o Covid, que nem foi ainda, em breve voltará… Igual craque de futebol – fica uns dias por lá e depois volta para vestir a camisa do clube que sempre amou. O Covid ama seu couro, jacaré!

Pois é, aí a gente, todo modernoso esquece da História da Humanidade – esse tal Hahnemann ficou famoso. Sabes why?

No tempo dele teve uma epidemia daquelas miserenta mesmo, tipo um Covidão maldoso mesmo, mas daquele tempo. E o Hahnemann, com os remédios dele, salvou muita gente.

Não defendo que a gente compre uma carroça e saia pela estrada para fazer sucussão de remédio e ver se descobre um que cure o vírus, como ele fez.

O que estou dizendo é que ele ensinou que dentro de nós tem recursos para enfrentarmos o vírus, que podemos juntar aos desven vir favir e ou zavi fazvirir e ainda ao Hidroxiquinaquadra e bingo que querem nos prescrever e que todo mundo briga e tome isso e aquilo não funciona e, efetivamente melhorar nossas chances, ou sararmos mais cedo ou não nos adoecermos. Usando o que já está pronto em nós!

Enquanto eles brigam, a gente morre. Então temos que mobilizar nossas próprias forças, as forças que a Existência, Deus a Natureza, Tupã chame como quiser nos deu. Isso está em nós basta ativarmos, como o nosso psicológico. Falar em psicológico já está fazendo as práticas que sugeri?

Veja como você pode ser ajudado pela ciência homeopática. HÁ UMA OUTRA FORMA DE COMBATER O COVID

Siga o link …

África do Sul: Modul8

Índia: Anbuta Plus

Brasil: Farmácia Homeoterápica

Mais informações